SEJA BEM VINDO
Pedro Son

O jogo de torcida única

Até hoje ninguém sabe como Benedito escapou para contar a história!

PEDRO SON

PEDRO SONArtigos,Editoriais, Poesia, Comentários e análise do escritor, administrador, ativista cultural e poeta PEDRO SON

22/12/2019 10h37Atualizado há 1 mês
Por: Pedro Son
Fonte: Pedro Son
465

O JOGO DE TORCIDA ÚNICA

Pedro Son

 

Benedito é um desses fanáticos por futebol, mas precisamente pelo Esporte Clube Bahia, time lá da Capital de Salvador Ba. Como ele dizia, não se viu torcendo por outra equipe e não é como esses que tem um time na Bahia, ouro em São Paulo, outro no Rio e por aí vai. Lembra apenas de uma simpatia rápida sentida lá nos anos 80 pelo América do Rio. Decerto porque era o time do coração do cantor Tim Maia de quem Benedito se declarava fã incondicional. Tem camisa do time, copo com a marca da equipe, acompanha os noticiários, vibra com cada vitória e, logicamente, sofre com os revezes do time. Vez em quando vai ao Estádio!

Um dia inventaram esse negócio de torcida única. Bahia e Vitória, as duas maiores equipes do futebol baiano, revezavam-se no mando de campo. Jogo no campo do Bahia, só entrava torcida do Bahia. Jogo no campo do Vitória, só entrava torcida do Vitória. Eta que coisa mais sem graça!

E aí chegou o grande dia da decisão do campeonato. Jogo no Barradão, campo da equipe rubro-negra adversária do Bahia. Benedito, coça a cabeça, pensa ... como perder aquele jogo. Ora, pensou ... como iam saber para quem eu torcia? Resolveu ir ao jogo. Por precaução, uma camisa vermelha e lá foi.

Até que ia se comportando bem! Sentado, quieto, segurava as emoções para denunciar seu coração. Disfarçava ... e o jogo num zero a zero danado ... ataque prá cá ... ataque prá lá ...Até que aos quarenta minutos do segundo tempo ... GOOOOOOLLLLL DO BAHIA!!! Gol do título! Benedito levantou, vibrou, dançou, pulou e soltou o grito preso na garganta: BORA BAHIA!!!!

Foram alguns segundos de vibração. Quando Benedito volta a si. O Estádio num silêncio incrível. E uma multidão olhar fixo nele. A torcida mais quente do adversário a “sangue, suor e futebol” começa a cercá-lo. De repente, um grito: - “Pega o cabra! ”.

Benedito cai aqui, cai acolá, salta cadeiras e dispara no mundo. Verdadeiramente nem bala pegava. Ninguém nas ruas por onde passava a procissão, entendia nada. Um lote de homens correndo atrás de um sozinho. Como nada entendia, juntavam-se aos perseguidores.

Até hoje ninguém sabe como Benedito escapou para contar a história!  

  

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários