SEJA BEM VINDO
CORONAVIRUS

Escola proporciona aulas através do rádio para estudantes sem internet no Ceará

Modelo pode ser exemplo para muitos municípios

16/07/2020 11h45Atualizado há 4 meses
Por: Pedro Son
Fonte: Diário do Nordeste/Jornal Nacional
408

A ideia de utilizar o rádio surgiu depois que o diretor percebeu que um terço dos alunos não estava acessando a internet ou entregando os trabalhos online, e descobriu que o problema era a falta de computador, de celular ou até mesmo da internet, já que a maioria no local é da área rural.

Além da dificuldade em conseguir sinal nas áreas mais afastadas, de serra, muitos alunos não têm condições de comprar aparelhos mais modernos. Foi o que levou o Reginaldo a fazer um apelo ao diretor logo no começo da pandemia.

“Contei a verdade: que não tinha nenhum celular. Aí eu perguntei a ele: e aí, professor, como é que eu vou fazer para assistir às atividades? Eu deixo aqui o rádio, escutando aqui meus deveres, só escutando e fazendo”, conta o estudante José Reginaldo Araujo Lopes, 16 anos.

“O rádio chega em todo canto, né? Nem toda casa tem internet, mas toda casa tem um rádio”, avalia Luiz de França, diretor da escola.

Diante da paralisação das aulas em decorrência do novo coronavírus, os professores da escola estadual de Ensino Médio Professor Milton Façanha Abreu, localizada no município de Mulungu, no interior do Ceará, passaram a usar a rádio comunitária local para propagar aulas de maneira remota aos alunos sem acesso à internet.

De acordo com o diretor da escola, professor Luiz de França Leitão Arruda, 61, as atividades remotas via internet iniciaram logo após a paralisação presencial, no final de março, mas logo foi constatada a dificuldade de mais de 100 alunos para acessar o conteúdo. “Muitos desses alunos são da zona rural e tampouco teriam como comprar celular ou computador. Então, pensamos em contatar a Rádio Paz FM para o que conteúdo chegasse igualmente para todos”, explica.

O conteúdo é apresentado três vezes por semana pelos professores da escola que se dividem por áreas de conhecimento, como matemática, ciências da natureza, humanas e linguagens e artes. “Inicialmente, os professores iam até a rádio para gravar o conteúdo, de aproximadamente uma hora de aula. Porém, com o avanço da Covid-19, nós preferimos gravar o conteúdo de casa e já enviamos para a rádio veicular”, pontua Luiz.

Conforme o responsável pela instituição, o retorno dos estudantes sem acesso à internet, em caso de dúvidas com relação ao conteúdo, “a gente agenda um momento para interação com eles [alunos]. Alguns pedem o celular do vizinho para entrar em contato com o professor. Eles também têm os livros bases”.

 Professor da área de linguagens, Márcio Fernandes, 31, é um dos docentes da aula radiofônica. Para ele, a logística funciona da melhor forma para que todos possam compreender o assunto. “Nós usamos músicas temáticas, trazemos convidados para falar sobre determinado assunto, tudo para que a mensagem chegue até eles de maneira muito clara”, afirma.

 “Nesse período de crise, o nosso projeto na rádio acabou abraçando todos os alunos do município, de certa forma. Nós estamos nos reinventando porque a educação não pode parar”, pondera Márcio.

No último ano na escola, prestes a prestar vestibular, Rhayane Gomes dos Santos, de 17 anos, conta que a pandemia tornou tudo mais complicado, de início. “Porém, com o passar do tempo, fomos nos adaptando às aulas remotas”. A estudante comenta que, apesar de conseguir acesso às aulas via internet, “aqui a rede é muito falha, então a solução é ouvir na rádio mesmo”. (Fonte: Diário do Nordeste e Jornal Nacional).

 

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários