SEJA BEM VINDO
Brasil

Pacheco admite que projeto poderá liberar uso de vacinas por empresas

Senador apresentou texto que autoriza compra por setor privado, mas trecho que determina 100 de doações ao SUS pode mudar

23/02/2021 14h27
Por: Pedro Son
Fonte: R7
10
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco - (Foto: Reprodução/Youtube 23.02.2021)
O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco - (Foto: Reprodução/Youtube 23.02.2021)

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), admitiu nesta terça-feira (23) em entrevista coletiva a possibilidade de que seu projeto para permitir a compra de vacinas por empresas privadas seja modificado no Congresso para liberar as companhias a usarem da forma como quiserem os imunizantes, em vez de destinarem toda a compra em doações ao SUS (Sistema Único de Saúde), conforme prevê o texto original.

Segundo o senador, sua ideia é que 100% das doses compradas pelo setor privado sejam doadas ao SUS, numa forma de "colaborar com o estado brasileiro" e também acelerar a imunização e a retomada da economia. No entanto, o senador admite que esse percentual poderá sofrer alterações. Ele já prevê que a mudança poderia ser para liberar 50% das doses pelas empresas.

"Haverá um amadurecimento do projeto no plenário do Senado e da Câmara que eventualmente pode entender que 50% [serão] para destinação de uso privado e 50% para o SUS. Minha ideia central é que seja 100% destinado ao SUS para que a iniciativa privada possa participar no primeiro momento colaborando com o estado brasileiro.

O projeto de Pacheco prevê que a liberação para uso pelas empresas se daria após o país imunizar os grupos prioritários previstos no Plano Nacional de Imunizações. "Isso permite ganhar mais escala da vacinação no Brasil, preservando esse critério de não privilegiar ninguém por sua capacidade econômica, privilegiando aqueles que precisam receber primeiro, mas permitindo a participação da iniciativa privada", diz.

Estados e municípios

De acordo com o projeto de Pacheco, ficam a União, os Estados, o Distrito Federal e os municípios autorizados a assumir os riscos referentes à responsabilidade civil em relação a eventos adversos pós-vacinação, desde que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) tenha concedido o respectivo registro ou autorização temporária de uso emergencial.

A exigência é feita por parte dos laboratórios que negociam com o Brasil, como a Pfizer e a Janssen, da Johnson & Johnson. 

De acordo com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que participou de reunião com a Pfizer, a condicionante foi aceita em 69 países. Na América Latina, somente três não aceitaram: Argentina, Venezuela e Brasil.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Jeremoabo - BA
Atualizado às 14h46
32°
Muitas nuvens Máxima: 33° - Mínima: 22°
31°

Sensação

20.7 km/h

Vento

32.5%

Umidade

Fonte: Climatempo
Arranha-céu
UNOPAR 2 27 05 2020
LIVRO MOSAICO
Adsense Sessão Política
FESTIVAL MUSICA JEREMOABO
Municípios
RADIO VAZA BARRIS
Últimas notícias
Anúncio
Mais lidas
Banner lateral interna posição 4
Adsense lateral interna posição 5