Prefeito de Santa Brigida renuncia ao cargo

 Prefeito de Santa Brígida renuncia ao cargo

Por Adalberto Moreno

 Como havíamos anunciado, ontem, 07 de novembro, durante o Programa Notícias da 106 da Rádio Jeremoabo FM, o Prefeito de Santa Brígida, José Francisco dos Santos Teles, conhecido como Padre Teles, renunciou ao cargo. O pedido de renúncia aconteceu no sábado, 05, mas a divulgação oficial só saiu ontem, 07.

De acordo com informações de um amigo próximo que pediu para não ser identificado, o Padre já vinha dizendo que estava muito decepcionado com a política e que estaria sofrendo uma pressão muito grande do seu próprio grupo político para indicar um sucessor e investir na logística do futuro candidato. O posicionamento de Padre Teles de não atender a pressão, sob alegação de que não iria gastar para depois responder processos na justiça, teria causado um desconforto enorme entre ele e sua base política e por conseqüência houve a renúncia.

O vice-prefeito Eugênio José de Souza deverá tomar posse em solenidade a ser realizada na Câmara Municipal de Vereadores.

Faltando onze meses para as próximas eleições municipais, o cenário político de Santa Brígida continua cada vez mais indefinido.

Hoje assessoria do Padre divulgou a seguinte nota:

Em reunião realizada no último dia 04 em sua casa com secretários e diretores de departamentos, o prefeito Padre Teles anunciou seu afastamento permanente do cargo de gestor do município, em seu segundo mandato.

Segundo ele, a relutância consigo mesmo sobre a possibilidade de deixar o cargo o acompanha desde início de 2009, mesmo antes ter sofrido o golpe político pela Câmara municipal que resultou em seu afastamento por quase 15 dias, o que gerou um desconforto imenso, já que sua intenção desde o primeiro mandato, era de cumprir o que havia prometido, ficar apenas quatro anos à frente da prefeitura e definitivamente findar a desastrosa administração do exprefeito, nome que ele e seu grupo haviam sugerido na época para disputar as eleições e que veio a ganhar.

O fato é que, diante de um cenário propenso a decepções e julgamentos desprovidos de verdades por parte de pessoas que agem desmedidamente com ações sórdidas e pensamentos obcecados, numa tentativa de a todo custo, denegrirem e mancharem a imagem de uma pessoa sobressai, e muito, possíveis ideais e uma a verdadeira vontade de ver o crescimento do município e de sua gente.

Padre Teles já havia feito outras reuniões onde anunciara sua intenção de deixar o cargo, pois já não sentia o mesmo entusiasmo como antes, embora não tenha deixado de buscar melhorias significativas para o município, como de fato conseguiu. Por outro lado, sua equipe de trabalho insistia constantemente para que ele permanecesse no cargo e, juntos, pudessem chegar ao fim do segundo mandato.

Aliada a toda problemática exposta, surgiram as fortes crises sofridas por quase todos os da região semi-árida, como queda nos repasses do governo, gerando dificuldades em assegurar o cumprimento dos índices obrigatórios na administração pública; as condições temporais da conjuntura política dentre outros fatores, podem ter sido suficientes para afetarem a posição do gestor. Por último, o caso do pedido de intervenção do Estado, movido pelo MP, o que caiu como um balde de água fria sobre ele que já sabia que maquinavam secretamente contra ele, com indícios fortes de persuasão.

Na ocasião dessa última reunião, embora tenham acorridas argumentações acerca da permanência de Teles até o fim de seu mandato por parte de toda a sua equipe e daqueles que já compunham esta, como a presença e colocação do ex-chefe de gabinete de Santa Brígida, Fernando Mota – que inclusive foi um dos responsáveis pela vitoriosa campanha nas eleições de 2004, que levou Padre Teles a ser prefeito de maior expressão de voto da história do município -, nada foi suficiente para convencê-lo dar continuidade ao mandato.

Segundo Teles, a carta de renúncia será apresentada à Câmara de Vereadores assim que a procuradoria da prefeitura formular o processo de transição. Com a saída de Padre Teles, seu vice, o Sr. Eugênio Souza, deverá assumir a prefeitura definitivamente até o final do mandato em 2012. Ele afirma que o que está fazendo não desrespeita o povo, mas este deve entender que todo ser humano tem suas limitações e razões que vão além da compreensão lógica, mas sua saúde e projetos pessoais também interferem em suas decisões. É bom lembrar que Teles ainda é padre, pois assim foi sua primeira escolha, embora ele ainda não tenha falado a respeito de seu futuro na diocese ou onde quer que seja.

É relevante dizer que casos como este (renúncia ao cargo de prefeito) é raro, já que temos visto na maioria dos casos o contrário, ou seja, a justiça pede o afastamento do gestor muitas vezes por improbidade, outras por crimes contra o patrimônio público e afins. Portanto, julgase digno de sua parte reconhecer suas limitações e sair deixando “a casa em ordem”.

Padre Teles também se orgulha de sair deixando suas contas todas aprovadas pelo TCM, ao todo foram cinco, incluindo a de 2010. A de 2006 foi julgada pela Câmara como indigna de aprovação, isso por conta da não observância à lei de suplementação, que determinava a solicitação de concessão do uso de recursos acima do percentual pré-estabelecido que era de 30%, este índice foi ultrapassado em 2%.

O pedido de renúncia foi protocolado hoje (08) na secretaria da Câmara e estará na pauta da sessão de amanhã, às 20h, e em seguida, será dada posse ao Sr. Eugênio de Souza. O prefeito ainda fará um pronunciamento nos meios de comunicação expondo abertamente sua decisão, onde também agradecerá aos seus eleitores e todos os munícipes que acreditaram em sua capacidade de gerir o município.

 

Sua trajetória como prefeito

José Francisco dos Santos Teles (Padre teles) foi eleito em 2004 pela maioria dos votos em Santa Brígida, onde ganhou com uma diferença larga em relação ao segundo colocado. Em 2005 tomou posse como prefeito e abriu ali, precedência para que novos tempos pudessem pairar sobre Santa Brígida, longe das perseguições, da criminalidade exorbitante, da falta de respeito com o funcionalismo público e com o comércio local, dando a este nova credibilidade e fortalecimento.

Encontrou uma prefeitura com débitos e prestes a perder recursos dos principais programas do governo federal. Conseguiu em pouco tempo, juntamente com sua equipe, desfazer a imagem de município decadente por causa da má administração que o antecedeu e consolidou um dos programas que se tornou referência na região, o PETI.

A partir daí foram sucessivas obras de melhoramento e ampliação nos âmbitos educacional e de infra-estrutura, além do salto de qualidade na saúde. Como compromisso de campanha assumiu a missão de levar água, escola e mais dignidade às comunidades rurais. De fato conseguiu avanços inéditos com uma parceria com o governo que só veio a calhar, que direcionou projetos pilotos para o município, como o programa Cabra Forte. Cisternas, poços artesianos e tubulações de água, além de casas populares, calçamentos das ruas, eletrificação com postes e novas luminárias para as ruas do centro da cidade, aquisição de ambulâncias, contratação de médicos e profissionais da área, construção de unidades escolares… Tudo isso fez com que Santa Brígida se tornasse foco por seu crescimento em toda a região.

Em 2008, já no seu segundo mandato, o município foi contemplado com o Selo Unicef, o que garantiu ainda mais o fortalecimento de sua imagem como município que busca o futuro próspero para seus munícipes.

Outro marco na administração de Padre Teles foi o pagamento rigoroso dos salários do funcionalismo público em dia, desde seu primeiro mês como gestor do município. Conseguiu melhorias também nos salários dos professores com a implantação do plano de cargos e salários, e ainda contra com quase 100% dos professores da rede municipal graduados.

Nos anos de 2009 e 2010 ficou à frente da APSB como presidente, mobilizando os prefeitos do sertão baiano a buscarem melhorias e investimentos para seus municípios, facilitando a interação entre si e com o Governo do Estado, compartilhando seus anseios e discutindo formas de beneficiamento mútuo. Embora o termo inauguração não tenha sido o forte de Teles, pois entendia que esta era uma ação puramente política, grandes obras foram realizadas em benefício do povo santabrigidense e relatadas na imprensa, mesmo assim opositores aproveitaram este fator para ganharem méritos para si, tirando a responsabilidade da administração, embora a maioria da população sabia claramente quem tinha conseguido a obra.

Agora fica a missão para o Sr. Eugênio de Souza concretizar ainda mais o plano de governo e solidificar a base administrativa.

Gabinete do Prefeito,

Paulo Roberto R. dos Santos

Assessoria de Comunicação

 

Fonte: www.jeremoaboagora.com.br

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar