BR 325 INTERROMPIDA PELO MST EM PROTESTO CONTRA DESPEJO DE ACAMPAMENTO NO NORTE DA BAHIA

A BR 325 está paralisada entre Canudos BA e Jeremoabo BA

BR 325 INTERROMPIDA PELO MST EM PROTESTO CONTRA DESPEJO DE ACAMPAMENTO NO NORTE DA BAHIA

Na manhã desta terça-feira (26), 150 militantes Sem Terra fecharam a BR234 em Canudos, Sentido Jeremoabo, Nordeste da Bahia, em solidariedade aos acampamentos despejados de forma truculenta pela polícia ontem.

Hoje não com fogo na pista, mas com a produção do acampamento sendo exposta para a população, os acampados e assentados da região estão lá para pedir resposta ao Governo sobre o ato apoiado por ele ontem no Norte da Bahia, foram 700 famílias despejadas deixando pessoas feridas.

A CAUSA, O DESPEJO

Na madrugada dessa segunda-feira (25) aproximadamente 700 famílias Sem Terra dos acampamentos Abril Vermelho, Acampamento Dorothy e Acampamento Irany, munícipios de Casa Nova e Juazeiro, foram despejadas violentamente por homens da Polícia Federal, Militar e milícias armadas da região.

“Chegaram atirando, tem um companheiro baleado na cabeça!” afirmaram as famílias. “Há muita violência contra as famílias, muita agressividade, muito spray, muita bomba de fumaça”

As áreas acampadas fazem parte do perímetro irrigado Nilo Coelho, Casa Nova, e o projeto Salitre e Juazeiro. As famílias estão ocupadas desde 2007, mediante acordo entre o Governo Federal, o Governo Estadual, o INCRA, Ouvidoria Agrária, a Codevasf e o Ministério Público.

Entretanto, com as investidas violenta contra os movimentos sociais do atual Governo Federal, os acordos estão sendo quebrados e as famílias trabalhadoras estão sendo vítimas uma vez mais da truculência do estado.

As 700 famílias que estão vendo seus sonhos sendo destruído pelo governo, o mesmo manda uma mensagem bem clara, não quer ver Sem Terra trabalhando ou produzindo alimentos.

A economia de Juazeiro e Região vai sofrer uma queda muito grande, por que os acampamentos que foram despejados com brutalidade do governo produziam por ano mais de 7200 toneladas de alimentos, gerando trabalho e renda para mais de 5000 famílias.

O MST repudia a ação, a brutalidade e a falta de compromisso do Estado para com as famílias Acampadas, permaneceremos em luta e continuaremos resistentes.

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra exige um posicionamento urgente do Governo do Estado da Bahia.

Fonte: Voz do Movimento

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar