SOBREVIVENDO

SOBREVIVENDO

 

Pedro Son

 

Sobrevivi

atravessei um mar revolto, bravio

com tempestades violentas criadas por mim

meu barco, coitado, sem armas sem nada

velejando contra as ondas daquele oceano sem fim

 

Lutei

brava e desesperadamente para sair deste circulo

forças diminutas, pontos quase entregando

mas sem querer a ruptura final, o abismo

pois na luz do final ainda continuo te amando

 

Procurei

no firmamento, na galáxia mais distante

sombra de ti, vestígios de sua paz infinda

o último resto do seu carinho, do seu querer

pois a vontade de ter você inquieta-me ainda

 

Busquei

na harmonia da música, nas canções de lamento

afagos e carinhos para conter esta paixão

querendo encontrar nos acordes e nas vozes

um pouco de você, o amor e a razão

ANDAR SEM RAZÃO

 

ANDAR SEM RAZÃO

 

Pedro Son

 

Jeremoabenses de todos os cantos

aliados a gente de lugares tantos

a hora festeira, vibrante, vem chegando

as angústias no forró vamos deixando

juntai todos na festa maior do sertão

São João de amores, licores e quentão

 

Cidade festiva de todos as raças

acolhe essa gente de todas as praças

pra viver nestes dias de vida e forró

a exata noção de que não somos só

capital sertaneja de amor no sertão

São João de amores, licores e quentão

 

Que momento feliz de abraços e paixão

onde esquecemos os problemas de então

e refazemos de novo a esperança

de que aqui a bondade se alcança

pra inundar de Paz nosso sertão

São João de amores, licores e quentão

 

Mas quando a folia passar

Voltaremos a carregar o penar

Mas quando a festa se for

Novamente a rotina de dor

E o São João de Amor licor e quentão

Será o sofrer, o andar sem razão  

JEREMOABO, HOJE É TEU DIA!

Poema em homenagem ao aniversário da cidade de Jeremoabo